Publicado por: Flavia Sbragia | 07/09/2013

A pitoresca Stia

StiaHoje vamos falar de mais uma cidadezinha pitoresca desta linda região. Stia, desconhecida de muitos ela está localizada a uma altura de 441 m acima do nível do mar na província de Arezzo. Sua população é de aproximadamente 3.000 habitantes.

O primeiro documento escrito sobre a aldeia de Stia é datado de 1053 no Resumo Camaldolese onde pode-se ler a  “Plebe S. Mariae de Staia”. Em 1093 aparece novamente nas suas páginas uma citação de um  “casale de Stia”

Foi durante a Idade Média que a pequena Stia se desenvolveu. Em torno da Igreja e da praça principal a cidade foi dando forma juntamente com um dos castelos mais antigos dos Condes Guidi, o  então chamado de “Contea di Porciano”. Foi fortemente ligada à Firenze com os Médici e Habsburgo – Lorena.

Seu grande desenvolvimento se deu graças à lã, tornou-se uma grande centro de produção. Foi lá onde “nasceu” o famoso Panno Casentino, que é produzido e comercializado hoje por duas empresas locais. No entanto, hoje ela sobrevive do turismo.

Percorrendo a cidade temos vários lugares interessantes de serem visitados:

Piazza TanucciPiazza Tanucci, ela é o coração de Stia. Leva o nome do famoso estadista e iluminista do Reino de Nápoles Bernardo Tanucci nascido em Stia em 1698. Sua peça central é uma homenagem à Tanucci, uma bela estrutura de forma irregular cercado por arcadas. Uma caracteristica de todo o traçado urbano do centro histórico. Nela também podemos encontrar um afresco de Pietro Annigoni  retratando São Francisco, próximo à igreja românica de Santa Maria Assunta.

Pieve di Santa Maria Assunta, uma das igrejas românicas do alto Casentino. Vista da Piazza Tanucci, sua estrutura básica é do século XII. Seu interior mantem a nave românica original e duas naves divididas por colunas monolíticas.

Nela podemos ver as seguintes obras de grande valor artístico:

Santa Maria Assuntatrittico dell’ Annunciazione e Santi di Bicci di Lorenzo (1414)
Madonna col Bambino della scuola di Cimabue
Madonna col Bambino – terracotta bianca invetriata di Andrea della Robbia (1437-1528)
ciborio in terracotta policroma invetriata, opera della bottega dei Della Robbia (sec.XVI)
La cena di Gesù in casa del fariseo – Simone Ferri, 1596
Assunzione della Vergine – Maestro di Borgo alla Collina sec. XV
Crocifisso in legno dipinto sec.XVI
Predica del Battista – Olio su tela di Gian Domenico Ferretti (1692-1766)

Palagio FiorentinoPalagio Fiorentino. Localizado no centro da cidade o castelo foi construido em 1230 e completamente destruido em 1440. o prédio atual foi construido por Carlo Beni, autor do “Guida del Casentino”. Seu visual hoje possui o estilo neo-gótico com fachadas e escadarias que lembram o castelo de Poppi. Hoje o palácio abriga a Coleção de Arte Contemporânea e também é usado para grandes exposições e conferências.

Castello do Porciano, é um dos mais antigos castelos dos Conti Guidi e também um dos mais interessantes do vale por ser um raro exemplo de castelo torre. è famoso pelas memórias de Dante: a tradição diz que Dante foi mantido prisioneiro depois da batalha de Campaldino.Castello di Porciano

E também: o Oratorio della Madonna del Ponte, Chiesa di S.Lorenzo Dionisio a Porciano, Santuario di Santa Maria delle Grazie, Moinho di Bucchio, Castello d’Urbech, Chiesa di S.Andrea Corsini a Gaviserri, Chiesa di Santa Cristina a Papiano, Maestà di Montalto e Oratorio della Madonna del Ponte.

Além dos museus: Museo dell’Arte della Lana, Collezione d’Arte Contemporanea, Museo dello Sci, Collezione Ornitologica “Carlo Beni”, Museo del Bosco e della Montagna e Museo del Castello di Porciano

* fotos site da Comune di Stia

Publicado por: Flavia Sbragia | 31/08/2013

Descobrindo Poppi

POPPIPercorrendo as estradas da Toscana, várias vezes avistava ao longe algumas vilas. Via lá em cima das colinas um castelo com seu muro e ficava pensando o quão sonhador seria a cidadezinha. Foi numa dessas viagens que conheci minha querida Monteriggioni.

Então hoje vamos viajar por uma de suas pitorescas vilas. Vamos nos permitir voltar ao passado, entrar em seus muros e conhecer seu castelo.

Poppi, tão pequena quanto seu nome, 96,9 km², está localizada na província de Arezzo a 40km a leste de Florença, tem sua extensão desde do cume dos Apeninos até o vale do Arno. Está no centro de uma colina com terraço a 437m de altura, que compreende a planície  do Campaldino e do vale do Arno Superior. Surgiu como um feudo dos condes Guidi de Battifolle, em 1191, que mais tarde se tornou um assento Vicariato.

Castello dei Conti GuidiPoppi está na lista das mais belas aldeias da Itália, pois preserva intacta sua arquitetura do centro medieval. A estrutura fortificada remonta do ano de 1200 quando foi residência nobre dos Guidi. A vila tem uma particular forma de “L”, começa no castelo e termina na Abazzia de San Fedele. Dois lugares imperdíveis de visitar.

O Castello dei Conti Guidi, ou Castelo de Poppi, é um palácio acastelado que externamente muito se assemelha ao Palazzo Vecchio de Firenze. Em seu pátio interior vemos escadas que levam a grandes quartos, a um salão de baile e também ao topo da Torre, onde podemos admirar uma das mais belas vistas da região. Em sua capela podemos encontrar os afrescos de Taddeo Gaddi, discípulo de Giotto. O castelo ainda abriga uma biblioteca com 25 mil volumes Riliana e mais de mil manuscritos e incunábulos antigos.

abbazia di San FedeleOutro ponto turístico é a Abazzia de San Fedele. Sua estrutura arquitetônica é do século XIII. Nela encontramos inúmeras obras de arte, tais como: um crucufixo de Giotto, um grande painel do século XIV da Madonna con bambino S. Giovannino , atribuídas a Filippino Lippi, e também pinturas de Jacopo Ligozzi, Portelli, Davanzati, Francesco Morandini e Solosmeo.

Outros locais interessantes são: a igreja dedicada a São Marco e Lorenzo e o Oratório da Madonna del Morbo, construção hexagonal do século XVII.  E o Centro Histórico que é incomum na Toscana, pois sua arquitetura apresenta longas arcadas em suas ruas principais. Ao centro encontramos a  Piazza Amerighi, com o oratorio della Madonna del Morbo (sec. XVII).

Todo ano, em agosto, é realizada na cidade  o “IL GUSTO DEI GUIDI”, um interessante evento dedicado ao vinho toscano e alimentos típicos Casentino.

Visite Poppi e volte no tempo!!

* Fotos de Alessandro Ferrini – site Comune di Poppi

Publicado por: Flavia Sbragia | 25/08/2013

Fièsole – nas proximidades de Florença, Itália

* Hoje vamos ficar com um lindo texto sobre Fiésole. Ele foi escrito  (e já publicado) por Augusto Martini, autor do blog As Simplicidades das coisas. Obrigada Augusto, por compartilhar seu conhecimento e sua experiência.

Por Augusto Martini

Quando estive em Florença, dediquei meio dia para conhecer Fiesole, uma cidadezinha fantástica que fica tão somente há 8 km ao norte. Situada em uma colina com vista para o Vale do Arno, sua fundação data do século VII aC e é atribuída aos etruscos.

A área arqueológica da cidade preserva um teatro romano, que atualmente é utilizado para algumas festividades da cidade. A partir dele, você pode desfrutar as vistas panorâmicas sobre a paisagem circundante, inclusive Florença. Algumas relíquias de um templo romano podem ser apreciadas no Museu Arqueológico.

Teatro Romano Fiésole

Teatro Romano de Fièsole

Na praça central está a Catedral de São Rômulo, que remonta aos séculos XI-XIII. Ao lado da Catedral está o Palácio Episcopal do século XI, que abriga também um seminário. A parte oriental da praça é ocupada por um Palacete Pretoriano, do século XIV. Entre o Palácio Episcopal e o seminário, está a Igreja e a praça de S. Garibaldi Alexander. No topo do morro está a igreja de São Francisco. Há também a casa Bandini, que abriga um Museu com fantásticas pinturas dos Sécs. XIII e XIV.

Os trabalhos de Giovanni Boccaccio retratam diversas vezes as colinas de Fiesole, pois as considerava um lugar ideal e agradável.

Visão do Vale - Fiésole

Visão do vale, olhando do páteo da igreja de São Francisco

Pico della Mirandola, em Fiesole, foi muito celebrado por Poliziano, freqüentado por Lorenzo, o Magnífico, e a partir do Renascimento é escolhido como residência das famílias ricas de Florença. As casas que se encontram na colina são elementos de prova dessa época. A partir da segunda metade do século XIX (quando Florença se tornou a capital da Itália, 1865-1870), em Fiesole, é realizado um extenso trabalho de reconstrução e de expansão urbana, com novas residências e habitação de classes médias. A cidade, basicamente, assume a aparência de hoje. Em 1873, são encontrados os restos do teatro romano (trabalhos que ficaram sob a supervisão do Marquês Carlo Strozzi) e que também criou o sítio arqueológico e Museu (1878).

Termas - Fiésole

Termas, que ficam dentro do sítio arqueológico do Teatro Romano

No clima de renascimento e de redescoberta do século XIX, começam a fazer parte significativa na população a presença cultural de estrangeiros, em particular britânicos. Um inglês reconstruiu o Castelo Vincigliata (John Temple), que introduziu por ali a reavivação da Idade Média na arquitetura do Castelo.

Muito do charme de Fiesole está vinculado, além de seus tesouros artísticos e arqueológicos, à sua beleza histórica e sua paisagem cênica. Você pode fazer passeios agradáveis e curtos para além das antigas muralhas. Em toda paisagem você verá muitos ciprestes, que foram introduzidos, segundo a tradição, pelos etruscos. Eles estão espalhados ao redor das moradias e casas como elemento decorativo de acordo com o estilo tardio-romântico do século XIX.

Fiésole

Vista de Fièsole, olhando de um dos muitos mirantes que existem na região

Durante a Renascença, os moradores ”encomendaram” muitas obras para a cidade, dando para as igrejas e residências um  belo visual externo. A cidade possui também belas esculturas e pinturas. O governo dos Médici teve um papel preponderante no apoio para essa reformulação territorial, e em Fiesole principalmente, visando servir aos interesses da cidade de Florença, inspirado por um sentimento de ordem e beleza, ditando uma regra comum para todas as artes. Você pode vislumbrar isso ao longo dos vales e montanhas e em todas as direções, observando o visual das casas e mansões.

Fiesole realmente é um lugar fantástico e que vale muito a pena ser conhecido. Fique até um pouco mais tarde e veja, lá das colinas, o pôr do sol sob Firenze! É uma visão do paraíso!

Publicado por: Flavia Sbragia | 24/08/2013

Muito mais que o berço de Pontormo

2439_empoliDa história à cultura, passeando pelas suas lindas ruelas da cidade velha, ricas em monumentos, museus, Igrejas, etc. Basta percorrermos as ruas que levam ao seu centro e as de seu dintorno que encontramos muita coisa para ver e conhecer.

Mais conhecido por ser o berço de Pontormo* não podemos restringi-la a apenas um artista. Obras de Masolino da Panicale, Lorenzo Monaco, Filippo Lippi podem ser facilmente encontradas no Museo della Collegiata.

Um museu interessante de visitar é o Museo del Vetro di Empoli, onde encontramos toda a história (com objetos, documentos e filmes) e importância do que é até hoje uma das atividades da cidade. E ainda há para ser visitados o Palácio Ghibelline, o Museu de Paleontologia, a Galeria de Arte Moderna , a Igreja Colegiada de Santo André e da Biblioteca Municipal Renato Fucini.

44253_empoli_empoliO centro da cidade é representado pela Piazza Farinata degli Uberti, chamada de “Piazza dei Leoni”, por causa da fonte de Louis Pampaloni. Ela está alinhada com alguns dos edifícios mais emblemáticos do ponto de vista do patrimônio histórico e artístico: a Igreja Colegiada, com o Museu adjacente do Colegiado, tesouro autêntico de obras de arte a partir do décimo quarto ao século XVII, Palácio Pretorio, Palácio Ghibelline, que abriga o Museo Civico Paleontologia e exposições temporárias feitas por algumas das muitas associações culturais que contribuem para enriquecer a cultura da cidade.

Para encontrar algumas obras Jacopo Pontormo devemos fazer uma curta caminhada à Igreja se S. Michele. Também é interessante visitar o local de nascimento do artista, um museu que se encontra na aldeia de Pontormo, vizinha a Empoli.

Mas Empoli não para por aqui. Ela oferece inúmeros festivais, eventos como shows e concertos. Possuí uma vida noturna ativa. Ideal para todas as idades, para qualquer tipo de turismo. Desde o histórico, passando pelo cultural, entrando no natural, com direito a passeios a cavalo, trilhas, rotas gastronomicas, etc.

visitation-1Uma cidade a ser visitada!

Jacopo Carucci (24 de Maio de 1494 — 2 de Janeiro de 1557), geralmente chamado Jacopo da Pontormo, Jacopo Pontormo ou simplesmente Pontormo, foi um pintor maneirista italiano da Escola Florentina. Era famoso pelo uso de poses contorcidas, perspectiva distorcida cores marcadamente incomuns e peculiares, que pareciam espelhar seu temperamento neurótico e inquieto.

Jacopo Carucci nasceu em Pontorme, perto de Empoli. Foi aprendiz de Leonardo da Vinci, Mariotto Albertinelli, Piero di Cosimo, e finalmente em 1512, de Andrea del Sarto. ( Wikipédia)

*fotos: 1 e 2 site caprionline.it
3 site wikipaintings.org

Publicado por: Flavia Sbragia | 17/08/2013

No coração da Toscana

Empoli caprionlineit

Neste final de semana falaremos de uma cidade muito importante tanto comercialmente quanto que artisticamente.

Geograficamente está localizada no coração da Toscana. Entre Firenze, Pisa e Siena, Empoli é hoje uma cidade que podemos dizer que tem um grande espírito empreendedor, muita criatividade e coesão social.

Muito ligada ao comércio, que a fez ser conhecida pela Itália e o mundo, Empoli ainda preserva sua história, sua arte seus encantos.

44254_empoli_nebliger_arno_bei_empoliOs achados mais antigos na região são datados da pré-historia, no Paleolitico Médio, entre 100.000 e 40.000 anos atrás. Algumas ferramentas de pedra foram encontradas na área compreendida entre Poggiale e Torrino di Martignana, e entre Piazzano e Cotone.

No entanto são os vestígios arqueológicos da época etrusca os mais consistentes. Um dos assentamentos mais populosos foi encontrado perto da confluência entre os rios Arno e Elsa, a Martignana.

Mas são do tempo romano os resultados mais numerosos, contínuos e substanciais. É nele datado o importante momento da região no ponto de vista histórico, artístico e sócio – econômico, em se tratando de uma reconstrução de como as pessoas viveram e vivem no transito pelo território. O resultados dos estudos reconstroem o que foi um importante centro comercial, bastante rico e animado, onde as mercadorias vinham por via fluvial de Pisa e tinham como destino principalmente as cidade de Firenze e Fiesole. O principal e mais característico produto da área era o chamado “ânfora de Empoli”. Construido em Avane entre os séculos II e V d.C. se espalhou por toda a península. Até hoje é uma marca da cidade.

Anfora de Empoli

Ânforas são vasos antigos de origem grega de forma geralmente ovoide e possuidoras de duas alças. Confeccionados em barro ou terracota, comduas asas simétricas, geralmente terminado em sua parte inferior por uma ponta ou um pé estreito, e que servia sobre tudo para o transporte e armazenamento de gêneros de consumo, tal como a salmoura. Era usada pelos gregos e romanos para conter sobretudo líquidos, especialmente o vinho. Servia também para conter azeite, frutos secos, mel, derivados do vinho, cereais ou mesmo água.” – wikipédia

Um registro histórico da época romana importante para a cidade é a chamada “Tavola Peutingeriana”, espécie de mapa do caminho romano onde encontramos o nome “Em Portu” denominando a região de Empoli. Dados fundamentais à reconstrução da sua história de Empoli.

na época Lombarda é muito comum vermos os nomes Monterappoli, Montepaldi, Riottoli, denominando a região. Somente por volta do ano de 780 é que aparecem os primeiros documentos escritos relativos à área como Empoli, sendo seu monumento mais representativo a paroquia de Sant’Andrea, mencionada em um artigo sobre o bispo de Firenze.

2438_empoliEm 1059, Niccolò II sancionou às autoridades um “pacote” de privilégios, entre eles a construção de um novo prédio que até hoje é considerado um símbolo da comunidade de Empoli, além de ser também exemplo da arte românica com sua bela fachada que o destaca.

Em 1119 a cidade foi fortificada facilitando o processo de transferência da população para a área em torno da igreja paroquial, formando assim, o centro da cidade. Em 1260, ela foi palco do congresso Ghibellino, no qual Firenze foi salva de ser totalmente destruída por Pisa e Siena, seus opositores econômicos e políticos. Em 1764, tempo da Reforma Leopoldina, depois do governo Medici, as ligas de Empoli, Pontorme e Monterappoli foram reunidas em uma só comunidade.

Voltando um pouco na história, os séculos XIV e XV foram marcados por um extraordinário florescimento artístico. Agnolo Gaddi, Lorenzo di Bicci, Mariotto di Nardo, Niccolò di Pietro Gerini, Lorenzo Monaco, Starnina, Bicci di Lorenzo, são alguns artistas desse tempo.

Sua vocação artesanal e comercial ficou mais intensa principalmente depois da Segunda Guerra Mundial, nos anos de boom econômico. A produção e fabricação de vidro, principalmente os à prova d’água e verde têm sido por décadas produtos exportados com qualidade para a Itália e o exterior, fazendo assim Empoli ser reconhecida em todo o mundo.

Não percam! Na próxima publicação as artes, cultura e tudo mais que Empoli nos apresenta.

*fotos: 1 site caprionline.it
2 site paesionlinenet.it
3 site dellastoriadempoli.it
4 site paesionlinenet.it

Publicado por: Flavia Sbragia | 12/08/2013

Novamente Castelnuovo di Garfagnana

Hoje é dia de falar sobre alguns de seus pontos turísticos. Na publicação anterior mencionei as atividades naturais e rurais que a região oferece e ainda falei um pouco sobre sua história e localização. Agora é a vez de entrar e ver as construções que ela nos apresenta.

Duomo-di-Castelnuovo-di-GarfagnanaO Duomo, ou se preferir, a Catedral

Dedicada à São Pedro e São Paulo tem sua origem datada do século X, no entanto em meados dos anos 500 ela foi reconstruída pela velha igreja românica. No período barroco foram feitas mais algumas alterações em seu interior, preservando somente a sua fachada. Com a segunda guerra, devidos aos ataques bélicos aéreos, vários danos foram causados em toda a sua estrutura, a sua nova restauração revelou suas antigas linhas clássicas.

Em seu interior podemos ver as seguintes obras artísticas protegidas:   A “Pala di S. Giuseppe” feito de cerâmica vitrificada; o  “SS Crocifisso”, escultura em madeira datada do século XV, popularmente chamada de  “Cristo Nero”; A “Madonna con Santi”, tela de Michelle di Rodolfo del Ghirlandaio; um quadro de mármore da oficina em Lucca Civitali; além de outras pinturas.

Outros lugares religiosos importantes de serem visitados são: O Convento de São Giuseppe, o Morro de São Nicolau, a Porta Miccia, o Oratorio da B. vergine. o Oratorio de Santo Antonio, o Oratorio de São Carlo, o Oratorio de Santa Lucia e o Oratorio da Santa Cruz

Sala_Teatro_Alfieri_Asti_dal_PalcoTeatro Alfieri

Considerado o teatro mais representativo do Vale Serchio, foi construído em 1860, a pedido dos anciãos da cidade. Desenhado por Antonio Vittoni, ele demonstra nas formas e linhas decorativas, tanto interna quanto externamente, o papel e as ambições de um povo durante a segunda metade do século XIX. Inicialmente somente apresentava programas líricos, hoje já é grande o seu repertório artístico.

La Rocca Ariostesca

Assim é chamado o museu de história local. O castelo da cidade. Construído por volta do século IX, apresenta torres nos cantos e uma RoccaWebtorre quadrada no centro, forma típica das construções medievais. Como quase todas as construções da região, sofreu mudanças estruturais por causa dos bombardeios da guerra.

Já foi usado como prisão. Durante o governo de Lucca, quando recebeu maior impulso,  foi sede do governo e residência dos comissários, mas hoje, como museu, reúne um extenso registro arqueológico do Vale do Serchio. Possuí uma mostra didática permanente sobre a evolução humana encontrados na Garfagnana, desde o mesolítico, passando pela idade do ferro, até chegar à ocupação romana.

Fortaleza Montalfonso

Foi construída no final do ano 500 para oferecer à cidade um refúgio seguro e de defesa em caso de ataque e cerco.  Apresenta um longo muro com sete baluartes colocados assimetricamente para atender às características do solo irregular. Em seu interior ficavam os edifícios para as tropas e escritórios, soldados e oficiais, hoje restam apenas sete em boas condições, pois muitos deles foram demolidos. Sua porta principal fica de frente para o noroeste. Ainda bem preservada, nela podemos ainda ver o emblema da Garfagnana.

E é ao seu redor que o “Caminho de Ariosto” foi feito. Um passeio que possibilita, através do verde, caminhar ao redor do forte chegando ao que é a capital da aldeia periférica chamada de Torrite.

* fotos 1 luccalive.com;
2 Capitanomont ;
3 robertarossi.it

Publicado por: Flavia Sbragia | 10/08/2013

A vez de Castelnuovo di Garfagnana

Castelnuovo di GarfagnanaDepois de muito tempo sem atualizar o blog e sem caminhar por esses cantos e encantos da Toscana vamos, finalmente, voltar a falar das lindas e pitorescas cidades da região.

Confesso que estava com saudades de viajar com vocês por essas estradas de sonhos. E hoje é dia de Castelnuovo di Garfagnana.

Não posso dizer que a conheço realmente, pois passei muito rapidamente por ela, mais precisamente fui a uma solenidade realizada em seu belíssimo teatro.

MuralhaAo chegar à cidade o que mais me impactou foi a sua muralha, mais propriamente seu imponente portal. Rapidamente me senti nos tempos medievais onde pontes levadiças e seus fossos protegiam o castelo. Não, não tem ponte nem fosso. Só me lembrei desses filmes que a todo o momento nos mostram esses detalhes.

Castelnuovo di Garfagnana, está localizada na confluência dos rios Serchio e Turrite Secca, perto das montanhas do Apenino e dos Alpes Apuanos. É uma das cidades que faz parte da comum, do território da província de Lucca.

Ainda na condição de aldeia, tem seus primeiros registros datados de 740 d.C.. Um século mais tarde, em 872 d.C., já havia indícios de que uma nova cidade estaria surgindo, a muralha do castelo já podia ser vista. Documentos oficiais, então, a denominam como “Castro Novo”, ou seja, novo povoado fortificado. Passou por diversas Somente em 1924 ela passou finalmente para a jurisdição de Lucca.

Castelnuovo di GarfagnanaLocalizada ao norte do Vale Serchio, aos pés dos Alpes Apuanos e Apeninos, distante de Lucca e de sua costa aproximadamende 40km, é um lugar dedicado ao turismo verde (rural e natural). Podemos caminhar por paisagens pitorescas conhecendo a história de uma população em sua variedade de ritmo diário com arquitetura de uma civilização rural e ao mesmo tempo dar um mergulho na natureza descobrindo trilhas, caminhos para trekking, a pé ou a cavalo, de bicicleta tudo em suas montanhas.

Durante o ano há diversos eventos culturais. No Carnaval, desfiles de carros alegóricos e grupos de mascarados. Em agosto a Semana do Comércio, em setembro a tradicional feira onde podemos encontrar além de iniciativas culturais tais como prêmios nacionais de poesia “Olinto Dini” e narrativa “Loris Biagioni”, e encontros com artistas de renome nacional arte, um pouco mais de folclore, esportes, música, gastronomia, artesanato, etc. Mas em toda a região ao seu redor, durante o período de junho a outubro, podemos ver eventos populares. Tradicional é também o mercado de rua antiga, de origem medieval, que acontece todas as manhãs, quinta-feira nas ruas e praças do centro histórico.

GarfagnanaGastronomicamente, é uma região tradicional que tem como seus principais ingredientes aqueles de origem camponesa, de simples preparação. É baseada principalmente nas castanhas, carne bovina, carne de porco, na trutas que habitam os seus rios e produtos lácteos. Tem como seus pratos típicos a polenta de milho e castanhas acompanhada de carne e legumes. É possível comprar em suas pequenas lojas produtos agrícolas locais, tais como: cevada, castanhas, mel. Doces, frios, queijos, requeijão ainda é feito pelas famílias tradicionais. Algumas especialidades são a castanha, a famosa sopa de farro e os chamados necci, feita com a farinha de castanha e queijo cottage.

Como esta publicação está se tornando muito extensa, continuaremos na próxima falando um pouco mais sobre mais lugares interessantes de serem visitados na cidade. Até lá!!

* fotos: http://www.comune.castelnuovodigarfagnana.lu.it/

Publicado por: Flavia Sbragia | 10/12/2011

O sumiço

Queridos leitores,

gostaria de me desculpar pelo meu sumiço e por isso a falta de novos posts no blog.

Ano passado, visando melhorar meu currículo, resolvi fazer um curso (bolsa de estudos) para descendentes de Italianos na FGV (Fundação Getúlio Vargas).  No inicio isso não foi empecilho para que eu desse continuidade no blog, no entanto depois da “Loucura Toscana” e de ter postado outras tantas cidades. Tive a grata surpresa, descobri que estava esperando um Ítalo-brasileirinho. Engravidei na semana seguinte quando retornamos ao Rio de Janeiro.

Os dias passaram, o curso foi exigindo mais de mim e o verão foi chegando. E verão aqui no Rio de Janeiro é com ” V ” maiúsculo de tanto calor. Agora imagine grávida, que sente mais calor ainda!!! Não tive como entrar e pesquisar sobre as belíssimas cidades toscanas.  Sim, eu sempre pesquiso antes de postar alguma coisa. Mas não deu, passei o tempo todo que podia dentro d’água na piscina aqui do meu prédio. Só assim pra aliviar o calor.

Bem, o Luca nasceu. Um meninão lindo!!! E o trabalho modificou. Agora não era mais o curso e sim como ser mãe de primeira viagem.

Aos poucos retornarei ao blog, começarei tentando postar algo de quinzenalmente, assim posso ficar mais tranquila ao fato de pesquisar ao mesmo tempo de cuidar do pequeno.

Peço desculpas às pessoas que me enviaram emails com dúvidas e que não respondi. Realmente fiquei meses sem entrar na internet.

Espero que continuem viajando conosco pela nossa incrível Toscana!!

Um grande beijo

Flavia Sbragia

Publicado por: Flavia Sbragia | 13/11/2010

Afinal o que é a Toscana?

Hoje, depois de já ter falado em tantas cidades e ainda ter outras tantas para comentar, para falar de suas histórias, parei para pensar. O que é realmente a Toscana? A Toscana é mais que uma região, é um lugar de encantos. Crianças, jovens, adultos, solteiros, casados, casais de namorados, familias…Enfim, é um lugar de todos para todos.

Tanto faz qual seja o seu gosto. É praia, montanha, arte, cultura, história, aventura, beleza, bem estar, saúde, jovialidade, romantismo ou uma volta ao passado constante, mas sem sair da atualidade do mundo. São tantas cidades, lindas cidades por sinal. São tantas as formas de admiração que nada importa além de sonhar. E sempre querer realizar esses seus sonhos.

Não importa o que eu poste, o que eu já tenha postado ou o que ainda vou postar. Nada disso importa, pois nada que eu diga refletirá realmente o que é a Toscana. Uma região difícil de ser descrita em palavras, uma região que só conhecendo-a, só estando lá podemos ter a real dimensão do que realmente ela é, o que ela significa nesse nosso mundo louco. Um lugar onde tudo e todos perdem seu sentido, só ela importa, só você e ela e nela é que interessa.

Você tem que ver e sentí-la para então realmente amá-la. Sentí-la em sua plenitude e ter a alegria de que toda vez que a encontra ela tem novas coisas, novos sentimentos, novos encantos para te mostrar, novidades para você conhecer.

Afinal o que é a Toscana? Não sei. Acho que não cheguei a lugar nenhum. Quero chegar lá mais uma, duas, três… quantas vezes forem necessárias para poder enfim responder essa pergunta. No entanto penso que nunca poderei respondê-la, pois somente consigo sentir e amar. E mil vezes na Toscana, serão mil vezes amando e sonhando. Não tem como responder a pergunta alguma.

Desejo a todos essa dúvida, essa alegria, ou melhor essas alegrias que podem e devem ser sonhadas e intensamente vividas nessa que é a Nossa Toscana. Quem souber me responder essa pergunta me responda, pois não conseguirei respondê-la. Vivam nela e que ela viva em você como ela vive em mim.

*Fotos arquivo pessoal
Publicado por: Flavia Sbragia | 06/11/2010

A descoberta do mar entre as rochas e a natureza

Hoje vamos falar de mais uma cidadezinha perdida pelas belezas toscanas. Essa está localizada em um paraíso ecológico. De encontro com a beleza azul do Mar Tirreno ela está entre a natureza e as rochas do Monte Argentario. Seu nome, Talamone.

No passado, esta posição deu à cidade uma posição importante na história. Hoje somente a deixa simplesmente fascinante. Um lugar ideal para descansar e também aproveitar as águas límpidas do mar para praticar esportes aquáticos. Lá é comum encontrarmos as cores do windsurf, kitesurf e vela. Dela podemos admirar a Argentario, Ilha Giglio, e em dias claros, Montecristo, Elba e da Córsega.

Inicialmente povoada pelos homem pré-histórico, seu primeiro assentamento foi na era neolítica. Ainda podemos encontrar indícios desse povo. Há uma caverna de rocha no mar e vários achados: pontas de flechas, facas de sílex, pedras.

Mais tarde habitada pelos etruscos foi palco da cena da batalha entre os romanos e os gauleses em 82 AC, e em 1860 viu Garibaldi e os seus milhares de combatentes desembarcarem para se abastecerem de armas e suprimentos de água e prosseguirem para a Sicília.

Pertinho de Talamone encontramos o Parco Naturale della Maremma, lugar onde a natureza segue encantando. Podemos encontrar cervos, javalis, raposas e muitos outros animais selvagens vagando por alí.

Para quem curte história e quer fazer passeios pela cidade, as boas opções de passeio são: conhecer a poderosa fortaleza com seu formato quadrangular de cantos reforçados voltados para o mar a partir das suas três torres;O edifício da igreja pré-existente no século V aC, a igreja de Santa Maria Assunta, que foi alterada radicalmente no século XVII, e onde hoje podemos admirar seus ricos portais e as grandes rosáceas, entre tantos outros locais fascinantes para se conhecer.

Talamone é um balneário. Rico em natureza, belezas diversas que se encontram e encantam em um só local. A perfeita harmonia entre tantas culturas, tantas paisagens que hoje podemos chamá-la de paraíso perdido na Toscana. A descoberta do mar entre as rochas e a natureza.

* Foto 1 – http://media-cdn.tripadvisor.com
Foto 2 – http://www.polverona.de
Foto 3 – http://www.laporcilaia.co.uk

« Newer Posts - Older Posts »

Categorias